Lendo agora:
Maze Fest – O que rolou no talk entre Jeff Staple e Eric Koston
Leitura de 5minutos

Maze Fest – O que rolou no talk entre Jeff Staple e Eric Koston

Seguindo nossa cobertura da segunda edição do Maze Fest, hoje vou falar do talk que uniu duas feras, uma do skate e outra da cena de streetwear e sneakers mundial.

Eric Koston e Jeff Staple dispensam apresentações mas, quem não sabe direito quem são eles, eu explico.

Koston é um dos skatistas mais influentes dos últimos tempos, com passagem por diversas marcas de skate. Atualmente, ele integra o time de skatistas da Supreme, tem patrocínio da Nike SB e comanda sua própria marca, a Numbers.

Jeff Staple está envolvido com tênis e streetwear desde que a cena teve um boom com o lançamento dos Dunks. Inclusive, ficou mundialmente conhecido pelo Dunk “Purple Pigeon”, isso mesmo, aquele que causou uma bagunça enorme no lançamento em Nova Iorque, em 2006.

Introdução devidamente dada, vamos ao que rolou no talk.

Fotos: Cássio Medici

A conversa aconteceu em duas etapas, sendo a primeira meia hora com Jeff e Eric batendo um papo entre si, e a segunda com a galera fazendo perguntas.

O papo foi bem abrangente. De início Koston contou como foi sua infância e o que o levou a andar de skate. Nascido em Bangkok, em XX, ele comentou que não sofreu nenhum tipo de preconceito por ser estrangeiro e andar de skate quando moleque. Na época, o esporte era praticado por pouca gente, geralmente pelos caras que não se encaixavam no padrão dos grupos escolares dos Estados Unidos.

Sua evolução como skatista se deu de forma natural, pois ele era obcecado pelo esporte. Eric Koston falou também que as manobras na época eram bem mais fáceis e simples, o que facilitou bastante o processo. Jeff perguntou se hoje com as redes sociais se tornar um skatista conhecido é mais fácil. Koston disse que é bem mais complicado, pois nos dias de hoje qualquer um consegue mostrar seu potencial por meio das redes sociais, o que acaba gerando uma certa disputa.

MARCAS

Além do skate como esporte, Koston já esteve envolvido com diversas marcas. A primeira foi a Fourstar, na qual fundou junto com Guy Mariano, e a usava como plataforma para criar roupas que curtiam visualmente, mas que não tinham funcionalidade no skate, a exemplo da Polo Ralph Lauren.

Em 1997, ele entra para És, onde teve a oportunidade de criar seu primeiro skate shoe, o Koston 1. Ele desenhou o tênis do zero, escolhendo sua silhueta e os materiais usados. Jeff relembra que o modelo foi o primeiro tênis de skate a quebrar a barreira do estilo, sendo adotado também por quem não andava de skate. Ele deixou a marca em busca de um patrocínio no qual tivesse uma segurança financeira maior.

Veja o que rolou no talk do Brock Cardiner, diretor de conteúdo do portal Highsnobiety

Pouco tempo depois, Koston entra na Lakai, marca que correu como profissional durante muitos anos, porém acabou saindo por divergência de ideias com um dos donos.

A conversa então chegou até a Nike SB e Jeff perguntou como ele entrou para o time de skatistas da marca. Ele comentou que uns quatro meses depois de ter saído da Lakai recebeu o convite da marca. De início, Koston ficou apreensivo, pois a Nike já havia tentado emplacar uma linha de skate e não tinha dado certo. Mas, logo mudou de ideia porque seria um sonho se tornando realidade, já que sempre foi um colecionador dos tênis da marca, entre eles o Air Jordan 1.

Em relação à moda urbana estar tão em alta, Koston afirma que o segmento sempre esteve correndo pelas laterais, porém atualmente é mais falada e celebrada, o que naturalmente traz mais evidência à vertente.

NEGÓCIOS

Atualmente, Koston é sócio-proprietário de três marcas, uma de hardgoods (peças de skate), uma de roupas e uma cervejaria. Sobre esse lado empreendedor, ele comentou que é necessário ter paciência e que a única forma de aprender é passando pelas experiências, boas e ruins. Essa veia empreendedora do skatista tem origem na sua paixão em manter o skate vivo, pois segundo ele no fim do dia não é tão lucrativo financeiramente.

Por fim, ele comentou sobre a fundação do skatepark The Berrics, espaço desenvolvido inicialmente para ser apenas um ponto de encontro entre skatistas, que acabou se tornando um dos portais de skate mais acessados do mundo. Segundo Koston, se deu de forma despretensiosa e teve início com um vídeo que gravou de brincadeira junto com outros caras e subiram no site. Conforme novas ideias surgiram, eles registravam e colocavam no ar. Como os vídeos traziam skatistas profissionais dando um rolê e se divertindo, a galera se identificou bastante com o formato.

Bom esse foi um pouco do que rolou nesse talk.

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Input your search keywords and press Enter.
Do NOT follow this link or you will be banned from the site!